Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
260,00 265,00 249,00
GO MT RJ
245,00 246,00 279,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2770,00
Boi Magro 30m 3290,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2540,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 26/10/2021 12:13

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Brasil pode expandir pecuária sem desmatar

 
 
 
Publicado em 22/09/2021

Os pecuaristas brasileiros terão que investir até R$ 250 bilhões para reformar pouco mais de 100 milhões de hectares de pastos com alguma degradação, conforme cálculos da Scot Consultoria em estudo encomendado pelo WWF, pela Tropical Forest Alliance (TFA) e pela fundação Solidariedad. Os aportes são considerados fundamentais para elevar os ganhos na atividade e reduzir os impactos ambientais, o que tende a garantir o acesso a mercados já importantes, como a China, entre outros.

Apesar da cifra bilionária, o investimento, mesmo com uso de alta tecnologia, ainda é menor que o necessário para desmatar para criar gado. Um investimento de reforma de pasto com aplicação de alta tecnologia custa, em média, R$ 2.982,18 por hectare, conforme o estudo. Já o custo de desmatar - que inclui maquinário, retirada de tocos de madeira do solo, limpeza e semeadura de pasto - é de no mínimo R$ 3 mil por hectare, calcula Rafael Lima, analista da Scot.

No estudo, a consultoria projetou três cenários de conversão de pastagens, com base em dados do Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (Lapig), da Universidade Federal de Goiás (UFG), e no custo de reforma com diferentes níveis de tecnologia. Os cenários combinaram investimentos mínimos nos pastos, de R$ 721 por hectare, com outros mais intensos.

Cenários

No cenário mais agressivo de conversão de pastagens, com reformas usuais de pastos que estão leve a moderadamente degradados e reformas com alta tecnologia nas pastagens severamente degradadas, os desembolsos seriam de quase R$ 246 bilhões. Em um cenário intermediário, com investimentos graduais conforme o nível de degradação, o valor seria de R$ 209 bilhões. E, em um cenário mais conservador, com investimentos mínimos em pastos leve a moderadamente degradados e reformas usuais nos mais degradados, o valor ficaria em R$ 127 bilhões.

Se esses investimentos ocorressem ao longo de uma década, seriam necessários de cinco a dez vezes mais recursos que os disponíveis no Plano ABC neste Plano Safra (R$ 5 bilhões), observou o estudo. Porém, eles já ofereceriam ganhos mais robustos aos pecuaristas. Segundo a Scot, a rentabilidade de uma fazenda com emprego de alta tecnologia é de 3,8%, em média, enquanto a rentabilidade de uma com baixa tecnologia é de 0,6%.

Com os investimentos, 104,5 milhões de hectares de pastos com algum grau de degradação (segundo os dados do Lapig de 2020) seriam recuperados e alcançariam o perfil dos demais 77,9 milhões de hectares de pastos em boas condições.

A recuperação de pastagens poderia liberar entre 22,3 milhões e 67,7 milhões de hectares de terras, entre os cenários mais conservador e agressivo de investimentos. Ela permitiria, ainda, que o rebanho brasileiro crescesse de 14% a 59%, alcançando de 179 milhões a 250 milhões de cabeças. O estudo adota como premissa a conta do Lapig de que havia 156,9 milhões de unidades de animais em 2020.

O estudo indica que os pecuaristas precisarão investir também na rastreabilidade do rebanho para garantir a adequação da atividade às leis ambientais. Isso demandaria aportes de R$ 1,1 bilhão, segundo a Scot. Com informações do Valor.

 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/10/2021] - China libera primeira carga de carne brasileira
[26/10/2021] - Não há oferta de carne para atender à China
[26/10/2021] - Arroba: preço firmou mas mercado travou
[26/10/2021] - Carne caiu no atacado mas segue firme no varejo
[26/10/2021] - Pecuarista segura o boi para não vender barato
[26/10/2021] - Agro confirmou exportações de US$ 10 bi
[26/10/2021] - Brasil gerou mais de 300 mil empregos em setembro
[26/10/2021] - IPCA registra primeira queda no preço da carne

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/10/2021] - Técnicos do MAPA já se reuniram com chineses
[25/10/2021] - Preço da carne ainda não acompanhou queda do boi
[25/10/2021] - Arroba: semana fechou com cotações estáveis
[25/10/2021] - Milho: compradores seguem esperando baixa
[25/10/2021] - Falta de fertilizantes pode demorar a se resolver
[22/10/2021] - Frigoríficos têm a maior margem de lucro em 2 anos
[22/10/2021] - China promete solução rápida para o embargo
[22/10/2021] - Confinadores amargam prejuízos
[22/10/2021] - Arroba: referência fica abaixo de R$ 270
[22/10/2021] - Consórcio de máquinas agrícolas cresceu 20%
[22/10/2021] - Dólar dispara com incerteza nas contas públicas
[21/10/2021] - Embargo chinês: o tiro que pode sair pela culatra
[21/10/2021] - FAESP cobra ações do MAPA contra embargo chinês
[21/10/2021] - Arroba: frigoríficos dizem ter bois suficientes
[21/10/2021] - CEPEA: preço do boi caiu mais que a carne
[21/10/2021] - Leite: preço no Brasil está maior que no exterior
[21/10/2021] - Marfrig será maior acionista da BRF
[20/10/2021] - Embargo chinês é estratégia comercial
[20/10/2021] - Frigoríficos devem parar produção para a China
[20/10/2021] - Queda do boi não chega ao preço da carne
[20/10/2021] - Arroba: pressão de baixa continua em SP
[20/10/2021] - CVM nega acordo na venda da Bertin à JBS
[20/10/2021] - Queda do boi já reflete na inflação do Agro
[19/10/2021] - Tereza pode ir à China para resolver embargo
[19/10/2021] - Exportação: volume exportado caiu, mas preço subiu
[19/10/2021] - Arroba: frigoríficos voltam a pressionar
[19/10/2021] - IMEA: queda da arroba foi maior que a expectativa
[19/10/2021] - IGP-M volta a registrar deflação
[19/10/2021] - Agro pode ganhar força com mais ferrovias
[18/10/2021] - Exportações do Agro bateram US$ 10 bi em setembro
[18/10/2021] - Arroba: preços pararam de cair
[18/10/2021] - China: produção de carne suína é a maior em 3 anos
[18/10/2021] - Leite: produtor tenta reduzir custos
[18/10/2021] - Milho: preços em queda
[18/10/2021] - Milho: custo de produção sobe em Mato Grosso
[15/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam derrubando o boi
[15/10/2021] - Ataques a entidades do Agro causam indignação
[15/10/2021] - Deputado da FPA pede investigação de vandalismo
[15/10/2021] - Atividade econômica perdeu força em agosto
[15/10/2021] - JBS faz novo investimento nos Estados Unidos
[15/10/2021] - Alemanha tem caso atípico de vaca louca
[14/10/2021] - China terá carne barata quando mercado reabrir?
[14/10/2021] - Militantes vandalizam sede de entidades do Agro
[14/10/2021] - Arroba: boi caiu, mas a carne ainda não
[14/10/2021] - CEPEA: pecuaristas não aceitam preços menores
[14/10/2021] - PIB da Pecuária: alta de 6,1% em 2021
[13/10/2021] - Como estão as exportações em outubro?
[13/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam segurando compras
[13/10/2021] - China derrubou importações de carne
[13/10/2021] - Milho: compradores saíram do mercado

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br