Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
299,00 288,00 295,00
GO MT RJ
285,00 292,00 290,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2850,00
Garrote 18m 3110,00
Boi Magro 30m 3890,00
Bezerra 12m 2520,00
Novilha 18m 2870,00
Vaca Boiadeira 3140,00

Atualizado em: 14/5/2021 10:10

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Lei cria fundos de investimento em terras

 
 
 
Publicado em 23/03/2021

A agropecuária tem sido destaque em meio à crise econômica causada pela pandemia do coronavírus. Enquanto a economia brasileira recuou 4,1% em 2020, o setor agrícola cresceu 2%. Os preços das commodities, como soja e carne, estão em alta no mercado internacional, o que tem puxado um desempenho consistente das empresas do setor.

Apesar do desempenho acima da média, o investidor brasileiro ainda tem pouco acesso às empresas e ativos do setor agropecuário. Na bolsa de valores, por exemplo, apenas quatro empresas do setor agrícola estão listadas, e apenas as grandes companhias do setor da indústria de carnes (JBS, Marfrig e Minerva) estão no principal índice, o Ibovespa.

Mas isso pode mudar em breve. Foi aprovada a lei que cria os Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro). O projeto, aprovado pelo Congresso no início do mês, altera a lei que criou os Fundos de Investimento Imobiliário (FII), em 1993.

A proposta é que o investidor possa investir em ativos agrícolas, da mesma forma que os FIIs permitem aplicações em imóveis comerciais, shoppings e galpões.

"Assim como os fundos imobiliários, os fundos do agro poderão ter desde ativos físicos, como terras de plantio e estruturas de armazenamento de grãos, até ativos financeiros de crédito, como os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCA)", explica Rafaela Aiex Parra, sócia do escritório Araúz & Advogados.

Os fundos contarão com três classes de ativos principais: imóveis rurais (terras, plantações, imóveis de logística do agro), direitos creditórios (títulos de securitização com lastro em ativos do setor) e cotas de fundos de investimento.

A diversidade dos ativos é uma maneira de diluir o risco na carteira dos gestores e de dar mais oportunidades de financiamento para os empresários do setor agro. Apenas as grandes empresas conseguem captar recursos no mercado de capitais. A esmagadora maioria (e principalmente os pequenos e médios produtores) só têm acesso ao mercado de dívida, buscando financiamento com os grandes bancos.

"O mercado de capitais financiou mais de 1 mil projetos imobiliários nos últimos cinco anos. O agronegócio, embora seja muito maior que o setor de imóveis, encontrou funding no mercado para apenas 350 empresas", conta Juliana Mello, sócia da securitizadora Fortesec.

Ela explica que embora títulos como os CRAs já ofereçam aos investidores pessoa física a possibilidade de apostar em empresas do setor agro, em geral esses títulos exigem um investimento mais alto, acima dos 100 mil reais, para uma única aquisição. Isso torna os CRAs acessíveis à maior parte do público apenas por fundos de crédito privado.

Dinâmica dos fundos

Ao contrário dos fundos imobiliários, que são fundos de condomínio fechado (ou seja, não permitem o resgate das cotas), os fundos do agronegócio poderão ser abertos ou fechados.

"Os fundos abertos tendem a ser os que investem em títulos como LCA, CRA, CPR (Cédula de Produto Rural) e CDCA (Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio). Já os fundos com ativos físicos, como fazendas, devem ser fechados", explica Arthur Vieira de Moraes, especialista em FIIs da EXAME Invest Pro.

Ele diz que os fundos abertos devem ser um impulso inicial para o Fiagro, já que leva um tempo para a criação de um mercado secundário que permita a estruturação de fundos fechados.

Outro ponto importante da lei é que há um benefício fiscal para a transferência de ativos para o patrimônio do fundo. Antes da criação do Fiagro, o dono de uma fazenda que quisesse transferir seu bem para o patrimônio de um fundo, em troca de cotas, deveria pagar o Imposto de Renda.

Com a nova lei, essa troca acontece sem desconto do imposto. O dono do ativo só pagará o IR quando decidir se desfazer de suas cotas. Embora pareça bastante técnica, essa questão será muito importante para o crescimento dos fundos. Trata-se de um incentivo para a diversificação do portfólio dos gestores.

A propósito, o perfil dos ativos tende a ser um desafio extra para o setor. Gestoras que hoje atuam com fundos de estratégias diferentes já começam a se preparar para administrar ativos do agronegócio.

"É um tipo de ativo que não basta ficar sentado no ar condicionado lendo relatórios. O trabalho é mais intensivo, é necessário viajar pelo Brasil, conhecer os ativos e entender na ponta quais as necessidades e oportunidades dos empreendimentos agro", diz Lucas Elmor, sócio da gestora Hectare.

Melhora da governança

Durante a tramitação do projeto, diversas críticas quanto à capacidade de administração dos ativos agrícolas foram levantadas. A principal delas foi a possibilidade de investidores estrangeiros aplicarem em fundos que serão donos de terras brasileiras -- vale lembrar que, por lei, cidadãos de outros países não podem comprar ou arrendar terras no Brasil.

O Fiagro foi a alternativa encontrada pelo setor para permitir que recursos de fora cheguem ao agro, sem que haja interferência na soberania nacional.

Próximos passos

O prazo de sanção presidencial do texto venceu na semana passada, o que leva a nova lei para a sanção integral e automática. O caminho, agora, será uma promulgação pelo Senado ou pelo próprio presidente da República, Jair Bolsonaro.

Após a promulgação, caberá à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) impor as regras do jogo: como os fundos serão organizados, quais investidores terão acesso a eles e como funcionará a negociação de cotas. No caso dos fundos imobiliários, essa organização demorou mais de um ano. A expectativa do setor é que para o Fiagro esse processo seja mais ágil.

"No caso do CRA, a CVM permitiu que o mercado seguisse as normas impostas para o CRI, para que houvesse agilidade nas emissões. Esperamos o mesmo agora, com o Fiagro", diz Juliana, da Fortesec. Com informações da Exame.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[14/05/2021] - Boi chegou ao limite de baixa?
[14/05/2021] - Arroba: poucos negócios no mercado do boi
[14/05/2021] - Unidade da Marfrig é liberada a exportar aos EUA
[14/05/2021] - Milho: produtores estão segurando vendas
[14/05/2021] - MAPA abre novos mercados para o gado brasileiro
[14/05/2021] - Produtores vão a manifestação a favor de Bolsonaro
[13/05/2021] - Quebra de safra de milho preocupa frigoríficos

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/05/2021] - Prefeito é condenado por receptação de gado
[13/05/2021] - Quanto valerá o boi no final de 2021?
[13/05/2021] - Arroba: pressão de baixa ainda segue
[13/05/2021] - Arroba: mercado paulista está bem lento
[13/05/2021] - Arroba: situação melhorou para os frigoríficos
[13/05/2021] - JBS lucrou R$ 2 bilhões em um trimestre, recorde
[13/05/2021] - Marfrig prioriza exportações a partir do Uruguai
[13/05/2021] - Leite: Mercosul tem concorrência desleal
[13/05/2021] - Expoinel 2021 deve ser presencial, diz ACNB
[13/05/2021] - Câmara aprova novo licenciamento ambiental
[13/05/2021] - Fábrica de ração gera economia para família em SC
[13/05/2021] - Hoje é o Dia do Zootecnista
[13/05/2021] - Argentina volta a travar exportação de carne
[12/05/2021] - Arroba: escalas alongadas não vão durar
[12/05/2021] - Arroba: pecuaristas travam as vendas em SP
[12/05/2021] - Abate de bovinos caiu 10% em 2021
[12/05/2021] - Marfrig tem resultado recorde no trimestre
[12/05/2021] - Sauditas querem travar importações do Brasil
[12/05/2021] - Safra brasileira será a maior da história em 2021
[12/05/2021] - Conab prevê milho safrinha menor
[12/05/2021] - Quanto está valendo o milho hoje?
[11/05/2021] - Arroba: boi começou a semana em queda
[11/05/2021] - Arroba: frigoríficos reduzem oferta por fêmeas
[11/05/2021] - Exportações de carne bovina caem em maio
[11/05/2021] - Abates cresceram em Mato Grosso
[11/05/2021] - Sauditas tentam explicar embargo ao Brasil
[11/05/2021] - Câmara discute importação de leite do Mercosul
[11/05/2021] - Novo licenciamento ambiental pode ser votado hoje
[10/05/2021] - Arroba: boi parou de cair
[10/05/2021] - Arroba: frigoríficos seguraram compras em SP
[10/05/2021] - Quando o boi volta a subir?
[10/05/2021] - Milho: safrinha pode ser 7% menor
[10/05/2021] - Milho: saca já bate os R$ 110
[10/05/2021] - Preço da terra dispara 50% no Paraná
[10/05/2021] - CNA: retirar vacinação abrirá novos mercados
[07/05/2021] - Arroba: volume de negócios está fraco
[07/05/2021] - Quanto está valendo o boi em São Paulo?
[07/05/2021] - China: importações de carne próximas a recorde
[07/05/2021] - Arábia Saudita embarga frigoríficos brasileiros
[07/05/2021] - O que está por trás do embargo saudita?
[07/05/2021] - Câmara aprova cota para leite nacional na merenda
[07/05/2021] - Polícia faz operação contra roubo de gado em MS
[07/05/2021] - Bolsonaro vai a manifestação de produtores rurais
[06/05/2021] - Queda do boi não vai durar muito
[06/05/2021] - Arroba: frigoríficos pagam menos em SP
[06/05/2021] - Leite: produtor recebeu mais, mas riscos continuam
[06/05/2021] - Custo de produção do leite segue nas alturas
[06/05/2021] - Qual a previsão para o preço do milho?
[06/05/2021] - Governo esgota orçamento para crédito subsidiado
[06/05/2021] - Crédito rural cresceu 12% em um ano

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br