Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
266,00 254,00 268,00
GO MT RJ
261,00 255,00 267,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2330,00
Garrote 18m 2770,00
Boi Magro 30m 3460,00
Bezerra 12m 2050,00
Novilha 18m 2530,00
Vaca Boiadeira 2760,00

Atualizado em: 4/12/2020 13:24

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

DDG ajuda pecuaristas a reduzir custos

 
 
 
Publicado em 09/10/2020

A produção de DDG, um subproduto da fabricação do etanol de milho, crescerá mais de 60% no Brasil neste ano, substituindo parte do farelo de soja na composição da ração animal, uma situação que vem ajudando produtores e consumidores numa conjuntura de oferta escassa e preços elevados das matérias-primas.

Para a União Nacional do Etanol de Milho (Unem), a produção de DDG (do inglês, grãos secos por destilação) no Brasil avançará para cerca de 2 milhões de toneladas em 2020, ante 1,2 milhão de toneladas em 2019, à medida que mais usinas de etanol de milho entram em operação, o que se encaixa bem com a demanda de criadores de bovinos, suínos e aves que lidam com custos altos.

"O DDG faz uma substituição do farelo de soja, ele tem um preço mais acessível, ele é mais barato, apesar de ter um nível de proteína menor...", afirmou à Reuters o presidente da Unem, Guilherme Nolasco.

"Mas neste momento de alta desenfreada do preço do milho e da soja, ele tem sido uma excelente alternativa às cadeias de produção, principalmente dos bovinos, dado o momento histórico de seca que o país atravessa", acrescentou Nolasco, lembrando que, com pastos secos, o produto complementa a alimentação animal.

Além de ser alternativa para alimentação do gado, que absorve a maior parte da produção de DDG no Brasil, a avicultura e a suinocultura também estão substituindo uma parte do farelo de soja pelo subproduto do milho, uma indicação do potencial dessa matéria-prima, que já é utilizada em grande escala nos Estados Unidos, maiores produtores globais de etanol.

"Os coprodutos das usinas de etanol de milho, DDG (seco) e WDG (úmido), têm ganhado espaço no mercado substituindo ou compondo com o farelo de soja e outras fontes de proteínas. O que tem estimulado isso é a melhor relação custo/benefício, e a inserção na dieta de bovinos, suínos e aves", comentou Thayná Drugowick de Andrade, zootecnista que atua na Scot Consultoria.

Ela disse ainda que DDG e o WDG ganharam mercado como uma alternativa de fonte proteica, mas também possuem bons níveis de energia em sua composição, o que também interessa aos criadores.

"Esses coprodutos vêm ganhando destaque em função dos preços mais atrativos e por serem adaptáveis a diferentes dietas, podendo entrar tanto como proteico, substituindo o farelo de soja ou farelo de algodão, ou como proteico energético, substituindo o próprio milho grão", completou.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, na segunda quinzena de setembro o preço médio da tonelada do farelo de soja, considerando Mato Grosso como referência, estava em 2 mil reais, enquanto o DDG estava cotado a mil reais. Se a diferença de preço é grande, em termos de proteína bruta o diferencial entre os produtos é menor, com o farelo tendo 48% e o DDG 32%, em média.

Thayná estima um aumento na oferta de DDG este ano no Brasil de cerca de 62% na comparação com 2019, enquanto o consumo de farelo de soja no país, concorrente do subproduto do etanol de milho, deverá cair 3,2%, para 16,7 milhões de toneladas, conforme dados da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove).

O consumo de farelo de soja no Brasil terá redução apesar da expectativa de aumento de 4% na produção nacional de ração animal este ano, para mais de 80 milhões de toneladas, número que inclui o sal mineral, disse à Reuters o presidente-executivo do Sindirações, Ariovaldo Zani.

"Levando em conta o preço que o farelo alcançou, e o milho também, o DDG é um ingrediente que se encaixa bem...", concordou o dirigente do Sindirações, ponderando que o produto complementa a oferta de matérias-primas em momento de grande demanda por carnes brasileiras no exterior, fator-chave para o aumento da produção de ração neste ano.

Compensa o custo?

De outro lado, o DDG tem sido muito estratégico para ajudar a compensar o aumento de custo da matéria-prima para a indústria de etanol, já que o milho dobrou de preço, mas o biocombustível não.

"Pelo contrário, o etanol está em recuperação, voltando ao preço de janeiro, e quem segura esse aumento de custo da matéria-prima para a indústria de etanol é o DDG", disse o presidente da Unem, lembrando que a pandemia afetou o mercado do combustível.

Ele citou que o farelo de soja subiu desde o início do ano de 1.100 para 2.200 reais por tonelada, base Mato Grosso, enquanto o DDG avançou de 600 para 1.100 reais por tonelada, e o milho saiu de 24 para 48 reais por saca de 60 kg.

A Unem, cujas indústrias associadas estão concentradas em Mato Grosso e Goiás, onde também estão grandes consumidores da matéria-prima para ração, incluindo confinadores bovinos e criações de suínos e aves, projeta crescimento de 20% na produção de DDG para o ano que vem, a 2,4 milhões de toneladas, na esteira de um aumento da fabricação de etanol de milho no país, para 3,2 bilhões de litros.

Ainda que a produção de DDG tenha disparado em 2020, a maior parte da oferta já está vendida pelas usinas até o final do ano, revelou Nolasco, acrescentando que contratos de venda estão sendo fechados agora para entrega em 2021. Com informações da Reuters.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[04/12/2020] - Frigoríficos querem a arroba a R$ 260
[04/12/2020] - Arroba: frigoríficos testam valores menores
[04/12/2020] - China volta a falar de contaminação em carne
[04/12/2020] - Produtores do PR se unem contra aumento da energia
[04/12/2020] - Taxação do Agro pode se espalhar pelo Brasil
[03/12/2020] - Arroba: qual a estratégia dos frigoríficos?
[03/12/2020] - Agrifatto: pico da arroba pode ter passado

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[03/12/2020] - CEPEA: oferta curta e preços em baixa para o boi?
[03/12/2020] - Abates precoces disparam em Mato Grosso
[03/12/2020] - Queda do PIB do Agro no trimestre não é relevante
[03/12/2020] - Dólar cai com força ao menor valor em 4 meses
[03/12/2020] - Milho volta a cair no mercado brasileiro
[03/12/2020] - Aftosa: vacinação é prorrogada em 13 estados
[03/12/2020] - Produtor rural de SP vai pagar muito mais imposto
[02/12/2020] - Preço da carne exportada volta a cair em novembro
[02/12/2020] - Arroba: mercado do boi devagar
[02/12/2020] - Pecuaristas sofrerão pressão de custos em 2021
[02/12/2020] - Marfrig: trabalhadores protestam e param produção
[02/12/2020] - Pecuaristas vão à Justiça contra frigoríficos
[02/12/2020] - Leite: preços devem cair e pressionar produtor
[02/12/2020] - Bancada do Agro tem novo presidente
[02/12/2020] - Aglomeração de cavalos é proibida no Tocantins
[02/12/2020] - Milho cai com recuo do dólar
[02/12/2020] - Indústria já cresce acima do nível pré-pandemia
[02/12/2020] - Reino Unido aprova vacina contra Covid-19
[01/12/2020] - CNA prevê PIB do agro 3% maior em 2021
[01/12/2020] - Carne: mercado espera vendas aquecidas neste mês
[01/12/2020] - Arroba: não está sobrando boi
[01/12/2020] - Como ficará o mercado do leite neste fim de ano?
[01/12/2020] - Agrishow muda data do evento em 2021
[01/12/2020] - Produtores rurais terão aumento de custo no Paraná
[30/11/2020] - Arroba: frigoríficos continuam forçando a baixa
[30/11/2020] - Leite: imposto maior vai levar pecuarista ao preju
[30/11/2020] - Milho: preços caem e travam negociações
[30/11/2020] - Ladrões de gado são mortos pela PM
[30/11/2020] - IBGE: Agro gerou mais de 300 mil empregos
[30/11/2020] - Goiás: Agro criou vagas de emprego em 2020
[30/11/2020] - Mercado melhora previsões sobre o Brasil em 2021
[27/11/2020] - Arroba: queda de R$ 5 de um dia para o outro?
[27/11/2020] - Safras: frigoríficos seguem pressionando o boi
[27/11/2020] - Restaurantes mudam foco para cortes mais baratos
[27/11/2020] - Sêmen sexado ainda é pouco usado em gado de corte
[27/11/2020] - Agro puxou alta de 3,2% no IGP-M?
[27/11/2020] - Desemprego ainda está acima de 14%
[27/11/2020] - Indústria pede urgência no acordo UE-Mercosul
[27/11/2020] - Frigoríficos vivem dias de caos na Alemanha
[26/11/2020] - Exportações podem crescer 5,5% em 2021
[26/11/2020] - Arroba: frigoríficos seguem tentando baixar o boi
[26/11/2020] - Boi está em falta. Tem como cair mais?
[26/11/2020] - Milho: preço caiu lá fora, mas não no Brasil
[26/11/2020] - Setor de máquinas tem o melhor desempenho do ano
[26/11/2020] - Sementes misteriosas contêm pragas, segundo o MAPA
[26/11/2020] - FPA: nova lei de falências é vitória para o Agro
[26/11/2020] - Brasil supera projeção e abre quase 400 mil vagas
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br