Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
192,00 176,00 190,00
GO MT RJ
180,00 176,00 180,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1750,00
Garrote 18m 2100,00
Boi Magro 30m 2550,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1600,00
Vaca Boiadeira 1890,00

Atualizado em: 17/1/2020 10:54

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

JBS tirará maior parte dos negócios do Brasil

 
 
 
Publicado em 09/12/2019

A reestruturação que a JBS vai colocar em marcha no começo de 2020 segregará os ativos em duas companhias irmãs e independente entre si, um negócio que consolidado junto tem hoje uma receita líquida anual de R$ 195 bilhões.

Atualmente, tudo fica abaixo da JBS S/A, listada no Novo Mercado da B3. Com a reorganização, apurou o Valor, ficarão no Brasil apenas as atividades de bovinos local, couro e subprodutos. Na JBS Global, ficarão todas as atividades internacionais, mais a Seara, negócio que reúne as operações de aves, suínos e alimentos processados do grupo no país.

Entre as atividades que tem no país, a Seara é a principal aposta de crescimento da JBS, que anunciou semana passada um investimento de R$ 8 bilhões. O negócio de bovinos no Brasil, que deve ficar separado do restante, é menos rentável.

A reestruturação resultará em duas companhias e ambas serão controladas pela J&F, holding de Joesley e Wesley Batista. A ideia é que nem a JBS Brasil (o negócio bovinos no país) controle o grupo e tampouco a JBS Global controle a JBS Brasil.

Essa é a principal diferença em relação à primeira reestruturação anunciada pela empresa, em 2016, e rejeitada pelo BNDES. Naquela ocasião, a operação brasileira se inverteria e passaria a ser controlada pela família por meio da companhia global, que teria então sua sede na Irlanda.

O Valor apurou que a JBS Global terá sede na Europa e ações listadas na bolsa de Nova York. Nesse primeiro momento, não haverá captação de recursos, ou seja, emissão de novas ações. A expectativa é primeiro destravar valor. A empresa listada nos EUA poderá ser uma ferramenta para financiar aquisições e espera-se que represente novo salto para o grupo em valor de mercado e tamanho.

Fundada em 1953 como um minúsculo abatedouro em Goiás, a JBS alavancou os negócios sobretudo a partir de 2007, com a abertura de capital e o apoio do BNDES, que injetou recursos para sustentar sua expansão internacional, tornando-se a maior empresa de carnes do mundo. Desde a abertura de capital, em março de 2007, o valor de mercado do grupo na bolsa se multiplicou, de R$ 6,8 bilhões para R$ 74,5 bilhões - o BNDES deve se apropriar de parte da valorização ao vender as ações que possui no começo do ano que vem.

Com a reestruturação, restará na B3 um negócio bem menor. A JBS Brasil tem receita líquida anual de quase R$ 30 bilhões, com uma margem de lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) em torno de 5%. Na JBS Global, ficarão os negócios que somados têm receita anual de R$ 165 bilhões e Ebitda de pouco mais de R$ 16 bilhões, ou margem média de quase 10%. Os números referem-se aos valores acumulados em doze meses, até dia 30 de setembro.

A separação do negócio brasileiro de bovinos do restante não será feita por uma cisão trivial, mas haverá uma reestruturação patrimonial, apurou o Valor. Embora o caminho todo já esteja bastante claro, a companhia ainda está finalizando estudos. Depois de duas tentativas frustradas, dois temas tornaram-se uma grande preocupação do grupo: não fazer uma mudança de sede e não causar polêmica com minoritários.

A JBS entende que não há como se falar em mudança de sede. A operação local, com exceção da Seara, fica no Brasil e ambos os negócios serão controlados pela brasileira J&F. Para os minoritários, os passos não estão detalhados, mas o objetivo é tentar dar aos acionistas a oportunidade de se organizarem com liberdade, ficando em ambas ou migrando completamente para a JBS Global.  Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/01/2020] - O acordo EUA-China prejudica a carne brasileira?
[17/01/2020] - China: produção de carne suína tem queda histórica
[17/01/2020] - Bois e carne viram foco de bandidos
[17/01/2020] - Carne volta a cair com força no atacado
[17/01/2020] - Arroba volta a cair: pressão de baixa continua
[17/01/2020] - Controladores do Minerva venderão ações
[17/01/2020] - Minerva quer voltar a distribuir lucro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[17/01/2020] - Saída do BNDES da JBS vai atrasar novamente
[17/01/2020] - Nova tabela de frete: alta de 11 a 15%
[16/01/2020] - Arroba: frigoríficos estão pagando preços iguais?
[16/01/2020] - A alta do boi em 2019 foi realmente forte?
[16/01/2020] - Agro respondeu por 43% das exportações do Brasil
[16/01/2020] - Pecuarista investiu apesar da crise
[16/01/2020] - Inflação medida pelo IGP mostra desaceleração
[16/01/2020] - Leite: preço deve subir no curto prazo
[16/01/2020] - Minerva fará oferta de ações
[15/01/2020] - Arroba volta a cair com pressão dos frigoríficos
[15/01/2020] - Preço da carne bovina tem queda forte em MT
[15/01/2020] - China pressiona frigoríficos por preços menores
[15/01/2020] - China vende mais carne das reservas estatais
[15/01/2020] - Arábia Saudita abre mercado ao Uruguai
[15/01/2020] - Vendas do varejo tiveram alta em novembro
[15/01/2020] - MAPA prevê crescimento de 17% no PIB da Pecuária
[15/01/2020] - Reposição: muita especulação em Mato Grosso
[15/01/2020] - Leite: captação caiu com força no RS
[15/01/2020] - Milho: exportações reduzem ritmo em janeiro
[14/01/2020] - Exportações de carne começaram o ano em alta
[14/01/2020] - JBS aumentará abates em SP
[14/01/2020] - Arroba: frigoríficos aumentam a pressão de baixa
[14/01/2020] - CEPEA prevê ano bom para a pecuária brasileira
[14/01/2020] - Impasse trava mercado de reposição
[14/01/2020] - Acordo tenta formalizar pecuaristas em MT
[13/01/2020] - Frigoríficos: exportações continuarão com força
[13/01/2020] - Arroba: frigoríficos pressionam por arroba menor
[13/01/2020] - Chuvas ajudam pecuarista a segurar o boi
[13/01/2020] - Carne caiu no atacado
[13/01/2020] - Preço da carne caiu no pasto, mas não no prato
[13/01/2020] - Donos da JBS venderam ações em dezembro
[13/01/2020] - JBS anuncia aumento de produção em outra unidade
[13/01/2020] - Agro protesta contra aumento de impostos
[13/01/2020] - Acordo com China vai puxar vendas do agro dos EUA
[10/01/2020] - JBS abre unidade prevendo demanda forte da Ásia
[10/01/2020] - Austrália: incêndios podem favorecer o Brasil
[10/01/2020] - Arroba: mercado de olho na demanda
[10/01/2020] - Varejo da carne ainda está devagar
[10/01/2020] - China faz Argentina bater recorde de abates
[10/01/2020] - Alta breve da carne puxou inflação de dezembro
[10/01/2020] - Prévia do IGP-M já mostra recuo da carne bovina
[10/01/2020] - Boi em alta puxa pra cima índice do CEPEA
[10/01/2020] - Milho deve continuar subindo
[10/01/2020] - Peste suína se aproxima da Alemanha
[10/01/2020] - Tereza Cristina: situação do Irã exige cautela
[10/01/2020] - Apesar da carne bovina, exportações do Agro caíram
[09/01/2020] - Arroba: pecuarista não aceita menos de R$ 200
[09/01/2020] - Queimadas na Austrália podem puxar o boi no Brasil
[09/01/2020] - Exportações: faturamento de MS subiu 21%
[09/01/2020] - Leite: 2019 foi um ano fora do normal

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br